Meningite

 

 

O que é

 

A meningite é uma infecção que atinge as três membranas que protegem o encéfalo e a medula espinhal. Pode ser causada tanto por vírus quanto por bactérias, sendo essas principalmente os meningococos, pneumococos e hemófilos (Haemophilus influenza tipo B). Tais bactérias conseguem ultrapassar a barreira entre o trato respiratório e o sangue e podem alcançar o sistema nervoso¹. Devido à epidemia de meningite ocorrida em São Paulo entre 1972 e 1974, a maior causada por meningococo já registrada no mundo, a doença tornou-se conhecida no Brasil¹, por conta das sequelas que pode deixar, tais como surdez, dificuldade de aprendizagem e comprometimento cerebral². Atualmente, o Brasil registra dois casos a cada 100 mil habitantes. Na época, esse número chegou a mais de 200 por 100 mil³.

 

Quem está sob risco

 

As meningites atingem principalmente as crianças. Como é provocada, predominantemente, por microrganismos causadores de doenças respiratórias, a meningite bacteriana registra maior número de ocorrências nas épocas em que o sistema imunológico fica mais vulnerável a elas, como no inverno. Já as virais costumam apresentar maior incidência no verão4.

 

Sinais e sintomas

 

As meningites virais atingem sobretudo crianças e apresentam sintomas mais leves, semelhantes aos de resfriados comuns: febre, dor de cabeça e irritabilidade¹. Já as bacterianas são mais graves e exigem tratamento imediato. Os primeiros sintomas podem surgir muito rapidamente, entre quatro e seis horas após a exposição5, ou demorar mais, entre três e sete dias após a exposição6, caracterizando-se por febre alta, mal estar, fortes dores de cabeça e pescoço, além de vômito e a clássica rigidez na nuca. Manchas vermelhas pelo corpo são notadas em casos mais graves, quando a infecção se encontra em estágio avançado, e tende a se tornar generalizada, indicando septicemia7.

 

Transmissão

 

Algumas das principais bactérias causadoras de meningites são Haemophilus influenzae tipo B, Streptococcus pneumoniae e Neisseria meningitidis6. Contra todas elas existem vacinas disponíveis8. Tanto bactérias quanto vírus causadores da doença são transmitidos pelo contato com pessoas infectadas, por meio de secreções provenientes de espirro, tosse ou beijo, por exemplo6.

 

Prevenção

 

A forma de prevenção mais eficaz é a vacinação. Cuidados simples com a higiene, como lavar as mãos antes das refeições e após contato com objetos e superfícies de espaços públicos, também são de grande valia para evitar o contágio².

 

Tratamento

 

Primeiramente é necessário diagnosticar o tipo de agente específico causador da meningite. Exames como hemogramas e análise de eletrólitos e proteínas, além da punção lombar para observação do líquido raquidiano são essenciais para essa identificação5. Em casos de infecção viral, que são mais leves, o tratamento se resume ao combate dos sintomas por meio de medicamentos prescritos pelo médico. A tendência é que a doença desapareça naturalmente com o tempo². Já para infecções bacterianas, o tratamento deve se iniciar imediatamente à base de medicamentos, conforme prescrição médica, e internação hospitalar para reduzir o risco de sequelas e realizar adequado monitoramento da evolução da doença4.

 

Para acessar as referências bibliográficas desta seção, clique aqui

 

PREVINA-SE, NÓS APOIAMOS ESTA IDEIA

Rua Domiciano Santana, 270 | Bairro Água Branca | Avaré-SP

Telefone: 14 3731-3251 - Celular:  14 99832-3006  - 14 99128-9439

 

© 2016 Clínica e Imunológica São Luís - Todos direitos reservados