HPV

 

 

O que é

 

O HPV (papilomavírus humano), nome de um grupo de vírus com mais de uma centena de variedades, é também o nome da doença sexualmente transmissível que esses agentes causam¹. As lesões genitais provocadas pela doença podem ser de alto risco, já que são precursoras de tumores malignos, especialmente do câncer do colo do útero¹,² (90% dos casos tem como origem a evolução do HPV)¹.

 

Quem está sob risco

 

Normalmente, o contato com o HPV se dá no início da vida sexual, portanto os adolescentes são mais suscetíveis ao contágio. As mulheres são mais vulneráveis ao vírus³. No Brasil, uma em cada cinco mulheres é portadora do papilomavírus humano¹. Alguns estudos apontam que cerca de 20% dos adultos sexualmente ativos são infectados por um ou mais tipos, fazendo do HPV o grupo de vírus sexualmente transmissíveis mais comum no mundo³. Especialmente o sexo feminino deve se atentar à doença. Cerca de 10% das mulheres nunca fizeram os exames que identificam as lesões, o que é preocupante, visto que cerca de 3% das portadoras do HPV podem desenvolver câncer de colo uterino, com chance aumentada caso não haja tratamento³. Alguns fatores aumentam a probabilidade de desenvolvimento de câncer em mulheres infectadas, como número elevado de gestações, uso de contraceptivos orais, fumo, infecção concomitante pelo HIV ou outras DSTs².

 

Sinais e sintomas

 

A infecção causada pelo HPV pode ser assintomática. Para detectar a doença desde a fase inicial, o exame de Papanicolaou é fundamental, e caso haja resultados alterados, o profissional médico deve recorrer ao exame de colposcopia para analisar o colo do útero. Estes exames visam diagnosticar precocemente o câncer do colo do útero, já que este pode se desenvolver de forma silenciosa no corpo humano¹.

 

Transmissão

 

O HPV é transmitido pelo contato genital com a pessoa infectada¹,⁴, incluindo sexo oral, e por via sanguínea, de mãe para filho na hora do parto. Na maioria das vezes, a infecção é transitória e desaparece sem deixar vestígios, podendo voltar periodicamente¹. Menos comumente, o HPV pode ser transmitido pelo contato oral ou genital com objetos contaminados pelo vírus².

 

Prevenção

 

Uma medida importante para a prevenção do HPV é através da vacinação⁵.Além do mais, o uso de preservativo é indispensável, inclusive durante o sexo oral². A infecção pode ocorrer pelo contato com a pele dos genitais, não necessariamente depende da penetração, por isso deve-se usar preservativo desde o início da relação sexual⁴. Gestantes portadoras do vírus recebem indicação de não realizar parto normal, para evitar o contágio mãe-filho².

É importante também consultar regularmente um médico e fazer exames como o Papanicolau a partir do início da vida sexual, para evitar evoluções graves e transmissões para os parceiros sexuais.

 

Tratamento

 

Na maioria das pessoas, as lesões causadas pelo HPV regridem espontaneamente¹, e o mesmo pode acontecer com a eliminação do vírus³. Alguns sistemas imunológicos, porém, não conseguem eliminar o HPV, somente deixá-lo em estado de latência³. Quando necessário, o tratamento pode ser realizado com medicamentos, conforme prescrição médica, ou cirurgia, como a cauterização química, eletrocauterização, crioterapia, laser ou cirurgia convencional se já existir evolução para o câncer².

 

Para acessar as referências bibliográficas desta seção, clique aqui

 

PREVINA-SE, NÓS APOIAMOS ESTA IDEIA

Rua Domiciano Santana, 270 | Bairro Água Branca | Avaré-SP

Telefone: 14 3731-3251 - Celular:  14 99832-3006  - 14 99128-9439

 

© 2016 Clínica e Imunológica São Luís - Todos direitos reservados